viernes, 20 de agosto de 2021

Fulton J. Sheen - Os Sinais dos Tempos, a Grande Apostasia, o Anticristo, a Crise e Perseguição da Igreja, o Castigo.



 

Venerável Fulton J. Sheen, 

Bispo

1895-1979

 

Decretado venerável pelo Pp. Bento XVI, 28 de Junho de 2012

 

 

 

 

Sermão “Sinais dos nossos tempos” da serie “Acendei as vossas lâmpadas”.

Transmitido no dia 26 de Janeiro de 1947.

 

 

 


Os Sinais dos Tempos, a Grande Apostasia, o Anticristo,

a crise e perseguição da Igreja, o Castigo.


 

 

 

Queridos amigos, Deus ama-vos!

Quero que estas sejas as minhas primeiras palavras de saudação para vós, e serão também as palavras que concluirão cada transmissão. “Deus ama-vos” significa que Deus é amor. Deus ama-vos e, em resposta, vós deveis amar Deus.

 

 

[Os Sinais dos Nossos Tempos]

 

Porque é que tão poucos são conscientes da gravidade da presente crise?

Em parte porque os homens não querem acreditar que os seus tempos são malvados; em parte porque isso implica muita acusação própria, e principalmente porque os homens não tem standards fora deles mesmos com que medir os tempos. Só aqueles que vivem pela Fé, sabem realmente o que se passa no mundo. Bem pode o Nosso Salvador dizer-nos o que Ele disse aos saduceus e fariseus do Seu tempo: «Chegada a tarde, dizeis: “Haverá bom tempo, porque o céu está avermelhado”; e, pela manhã: “Haverá tempestade, porque o céu está de um vermelho sombrio”. Sabeis, na verdade, discernir o aspecto do céu e não podeis discernir os sinais dos tempos?».

 

 

[A Grande Apostasia]

 

Conhecemos nós os sinais dos nossos tempos?

Eles apontam para duas verdades incontornáveis, a primeira das quais é que chegámos ao fim do capítulo pós-renascentista da Historia, que fez do homem a medida de todas as coisas.

Três dogmas básicos do mundo moderno dissolvem-se diante dos nossos olhos. Em primeiro lugar, estamos a testemunhar a desaparição do homem económico, ou da premissa de que o homem, que é um animal altamente desenvolvido, não tem outra função na vida que produzir e adquirir riqueza, e depois, tal como o gado nas pastagens, completar os seus anos e morrer.

miércoles, 18 de agosto de 2021

São João Paulo II - "Estamos agora parados frente à maior confrontação histórica que a humanidade alguma vez experimentou: a confrontação final entre a Igreja e a anti-igreja"


 

Card. Karol Wojtila, 1976

(Pp. São João paulo II)

 

 

 


 

 

“Estamos agora frente à maior confrontação histórica

que a humanidade alguma vez experimentou:

a confrontação final entre a Igreja e a anti-igreja,

entre o Evangelho e o anti-evangelho.”

 

 

 

A 4 de Setembro de 1976, na Kosciuszko Foundation, nos Estados Unidos, São João Paulo II, naquele então o ainda Card. Karol Wojtyla, fez uma importante declaração sobre os sinais do presente momento histórico.

 

 

«Estamos agora frente à maior confrontação histórica que a humanidade alguma vez experimentou. Não creio que o grande círculo da sociedade americana, ou todo o amplo círculo da comunidade cristã se dê completamente conta disto. Enfrentamo-nos agora à confrontação final entre a Igreja e a anti-igreja, entre o Evangelho e o anti-evangelho. O confronto encontra-se dentro dos planos da Divina Providencia; é uma prova que a toda a Igreja, e a Igreja polaca em particular, deve assumir. Todos nos damos conta que não é uma questão fácil [...]. Penso que a Polónia esteja provavelmente mais ciente disto que outras camadas da sociedade americana, as quais estão menos instruídas a este respeito acabando por simplesmente eliminar este problema da sua esfera de interesses. [...] É uma prova não só para a nossa nação e para Igreja, mas num certo sentido é um teste a dois mil anos de cultura e civilização cristãs, com todas as consequências para a dignidade humana, direitos individuais, direitos humanos e os direitos das nações. Todas estas dimensões são afectadas por este confronto. À medida que na Polónia e na América aumenta o número de pessoas que compreende a importância deste confronto, podemos olhar com mais confiança para o seu desfecho. A Igreja passou por muitas provações, assim como a nação polaca, e saiu vitoriosa ainda que a custo de um grande sacrifício».

 

 

In: «Kosciuszko Foundation Newsletter» 31:2 (1976-1977), pp. 11-12.








 

 

 

 

 

miércoles, 28 de julio de 2021

Pp. Pío XII - Fátima, alteração da Fé, suicidio da Igreja


Card. Eugenio Pacelli, 1933

(Pp. Pío XII)

 

 

 


 

 

Fátima, alteração da Fé e suicídio da Igreja.

 

 

«Querido amigo, considera que o Comunismo é o mais visível de todos os meios de subversão contra a Igreja e a Tradição da Divina Revelação. Testemunharemos, consequentemente, a invasão de tudo aquilo que é espiritual: filosofia, ciência, direito, educação, artes, meios de comunicação, literatura, teatro e religião. 

Estou preocupado com as confidências da Virgem à pequena Lúcia de Fátima. Esta persistência da Boa Senhora face aos perigos que ameaçam a Igreja é um aviso divino contra o suicídio que a alteração da Fé, na sua liturgia, na sua teologia e na sua alma vai representar. 

Escuto à minha volta inovadores que desejam desmantelar a Capela Sagrada, destruir a chama universal da Igreja, rejeitar os seus ornamentos, e fazê-la arrepender do seu passado. Meu querido amigo, estou convencido que a Igreja de Pedro deve afirmar o seu passado, ou então cavará a própria tumba.

Lutarei esta batalha com todas as minhas forças no seio da Igreja, bem como fora dela, ainda que as forças do mal possam um dia tirar partido da minha pessoa, das minhas acções, ou dos meus escritos, tal como hoje elas tentam deformar a historia da Igreja. Todas as heresias humanas que alteram a palavra de Deus são [por Deus] permitidas para que uma maior luz apareça».

 

 

 

Estas são as palavras confidenciadas, em 1933, pelo Card. Eugenio Pacelli, futuro Pp. Pío XII, então Secretario de Estado do Pp. Pío XI, ao seu amigo Conde Enrico Pietro Galeazzi. Cf. G. Roche – Ph. Saint GermainPie XII devant l’Histoire, Lafont, Paris 1972.




miércoles, 7 de febrero de 2018

Aparições de Nossa Senhora em Civitavecchia



Nossa Senhora de Civitavecchia
Itália, 1995-1996


A estátua de Nossa Senhora que chorou sangue, em Chivitavecchia, no dia 2 de Fevereiro de 1995

  

“Preparai-vos para viver quanto Eu revelei
aos meus pequenos filhos de Fátima”.



Os eventos que dizem respeito às aparições de Nossa Senhora em Civitavecchia[1], uma comuna italiana na província de Roma, começaram dia 2 de Fevereiro de 1995, na casa da família Gregori. Naquele dia, sobre o rosto de uma pequena estátua de Nossa Senhora apareceram lágrimas de sangre.
A 15 de Março de 1995, a imagem de Nossa Senhora chorou lágrimas de sangue nas mãos do bispo titular de Civitavecchia-Tarquinia, Mons. Girolamo Grillo, quem mais tarde testemunhou a devoção do Pp. João Paulo II para com estas aparições.
Os destinatários imediatos dos eventos ocorridos são os membros da família Gregori. Foram os primeiros a ver as lágrimas de sangue; a eles são dirigidas as vozes, os sonhos, as visões, as aparições e as mensagens com as explicações do conteúdo profético.
As mensagens que Nossa Senhora deu para a humanidade inteira começaram a 2 de Julho de 1995 e terminaram a 17 de Maio de 1996.
A 15 de Março de 2005, o bispo erigiu a Santuário Mariano paroquia de Santo Agostinho (Civitavecchia), onde se venera a estátua de Nossa Senhora das Lágrimas.



Nosso Senhor, 15 de Março de 1995:
«O caminho será longo, tortuoso, sofrido, mas depois resplandecerá a luz do Senhor».

Nosso Senhor, 15 de Maio de 1995:
«És um dos Meus predilectos; mandar-te-ei um anjo para mostrar-te aquilo que deve acontecer brevemente. Feliz quem tiver guardado e pregado as palavras proféticas da Igreja de Deus, nosso Pai, que por meio da nossa Mãe Celeste, a Virgem Maria, nos prepara o caminho para interceder junto do nosso Pai, Deus.
Não abandoneis jamais os Sacramentos, a Confissão, a oração, o jejum e o Corpo de Jesus Cristo na Santa Missa, porque a Minha vinda está para muito breve».

Nosso Senhor, 19 de Maio de 1995:
«A humanidade está a ponto de sofrer uma tragédia terrível e cada vez mais próxima. Não se da conta que está para entrar numa guerra mundial que pode ser evitada. Isto que te digo é uma mensagem que o Santo Padre, o Papa, já sabe por meio de uma outra filha Minha. Evitai esta guerra! Tendes as armas mais potentes que aquelas usadas, que são o amor, a oração, a humildade, o rosário e a verdadeira conversão dos vossos corações a Deus, por meio da vossa Mãe Celestial».

Nossa Senhora, 30 de Julho de 1995:
«Querido filho, dou-vos uma dolorosa noticia. Satanás está a tomar posse de toda a humanidade, e agora tenta destruir a Igreja de Deus por meio de muitos sacerdotes. Não o permitais! Ajudai o Santo Padre!
Satanás sabe que o seu tempo está para terminar, porque o meu Filho Jesus vai intervir.
Peço-vos que me ajudeis. Não façais intervir o Meu Filho Jesus, porque Eu, vossa Mãe, quero salvar muitas almas, levando-as ao Meu Filho para não deixá-las a Satanás.
Rezai para que Deus nosso Pai Me conceda ainda algum tempo, porque este é o último período que Deus me concede. Agora, o Meu manto está aberto para todos vós, todo cheio de graças, para que vivais todos juntos ao Meu Coração Imaculado. Mas o manto está para fechar-se, pois o Meu Filho Jesus está para lançar a Sua Justiça Divina.
Paira sobre o Santo Padre, meu filho, um perigo, um ataque feroz de Satanás, porque ele, verdadeiro e santo filho meu, está a abrir as portas dos corações da verdadeira Igreja de Deus, e Satanás não quer. [...]».

Nossa Senhora, 26 de Agosto 1995:
«Filhos queridos, choro porque vos falo em todas as partes do mundo, dando-vos sinais extraordinários, mas vós não quereis escutar. Apresento-Me a vós de todas as formas, mas não Me aceitais com verdadeiro amor nos vosso corações. [...]».

Nossa Senhora, (sem data):
«Meus filhos, agora as trevas de Satanás obscurecem todo o mundo e obscurecem também a Igreja de Deus. Preparai-vos para viver quanto Eu revelei aos meus pequenos filhos de Fátima.
Queridos filhos, depois dos dolorosos anos de trevas de Satanás, são agora iminentes os anos do triunfo do Meu Coração Imaculado. A vossa nação está em grave perigo.
Em Roma as trevas descem cada vez mais sobre a Rocha que o meu filho Jesus vos deixou para edificar, educar e fazer crescer espiritualmente os seus filhos.
Bispos, o vosso dever é continuar o crescimento da Igreja de Deus, sendo vós os herdeiros de Deus. Voltai a ser um só coração cheio de verdadeira fé e de humildade com o Meu filho João Paulo II, o dom mais grande que o Meu Coração Imaculado obteve do Coração de Jesus.
Consagrai-vos todos a mim, ao Meu Coração Imaculado, e Eu protegerei a vossa nação de baixo do Meu manto agora cheio de graças.
Escutai-Me, peço-vos, suplico-vos! Eu sou vossa Mãe Celestial, e peço-vos que não Me façais chorar ao ver tantos filhos Meus morrer por culpa vossa, quando não Me aceitais e permitis que Satanás actue.
Amo-vos, ajudai-Me, temos necessidade de todos vós, queridos filhos».

Nossa Senhora, 8 de Setembro de 1995:
«[...] Através de vós posso difundir a luz da fé nestes dias de grande apostasía. Sois a luz do Senhor, porque sois filhos totalmente consagrados a Mim. Deixai-vos guiar por Mim com todo o amor, um amor verdadeiro que tendes por Jesus Eucaristia. Gozo de felicidade porque sois simples e humildes e vos deixais guiar como um fio de erva deixado ao vento».

Nossa Senhora, Junho de 1995:
«Rezai, convertei-vos, porque Eu virei ainda durante um ano, e, se não me escutais, depois não haverá mais tempo. [...] Rezai, convertei-vos, voltai a Mim; estais para entrar numa guerra nuclear».




Os temas de Nossa Senhora em Civitavecchia,
noutras aparições marianas e noutros lugares teológicos.



A grande apostasía.

«Através de vós posso difundir a luz da fé nestes dias de grande apostasía» (Nossa Senhora, 8 de Setembro de 1995).

Cf. Mensagem de Nossa Senhora ao P. Stefano Gobbi sobre a apostasia:
Cf. Paulo VI sobre a apostasia no mundo e na Igreja:



Satanás na Igreja.

«Satanás está a tomar posse de toda a humanidade, e agora tenta destruir a Igreja de Deus por meio de muitos sacerdotes» (Nossa Senhora, 30 de Julho de 1995)
«Meus filhos, agora as trevas de Satanás obscurecem todo o mundo e obscurecem também a Igreja de Deus. [...] Em Roma as trevas descem cada vez mais sobre a Rocha que o meu filho Jesus vos deixou para edificar, educar e fazer crescer espiritualmente os seus filhos» (Nossa Senhora, sem data).

Nossa Senhora fala ao P. Stefano Gobbi da Maçonaria infiltrada na Igreja para a destruir desde dentro, e como tal vem dito no livro do Apocalipse. Cf. Mensagem de Nossa Senhora desvelando os símbolos do Livro do Apocalipse: “A besta semelhante a um cordeiro” (Ap 11-18):

Sobre o falso cristo e a falsa igreja remetemos, entre tantas outras, à profecia do Venerável Fulton J. Sheen (1895-1979):
e às revelações de Nosso Senhor à Beata Ana Catarina Emmerich (em torno a 1800):

Também, e muito antes, em 1846, em La Salette, França, avisou Nossa Senhora que «Roma perderá a fé e se tornará sede do Anticristo».

Nossa Senhora, El Escorial, España, 24 de Julho de 1983: «Entre a humanidade está a raça maldito do Anticristo, e o Anticristo está entre os quatro ângulos da terra, para confundir as almas; mas com sacrifício e com oração, meus filhos, e com humildade, nunca o inimigo se poderá apoderar das vossas almas».
Nossa Senhora, El Escorial, España, Nossa Senhora, 5 de Abril de 1986: «Minha filha, o Anticristo apoderar-se-á de Roma. Há muitos sequazes do Anticristo e ele quer sentar-se na Sede de Pedro. Pedi muito pelo Meu filho, o Vigário de Cristo, que sofre grandes perseguições, e o Anticristo está perto dele para o fazer sofrer. Uni-vos a ele em oração e oferecei as vossas orações. Os Nossos Corações amam-no muito».

No Magistério eclesiástico:
Pp. São Pio X, Enclíca E Supremis, nº 5, 1903: «Quando tudo isto é considerado, existe uma boa razão para temer que esta grande perversidade possa ser um preanuncio, e talvez o começo dos males que estão reservados para os últimos dias; e que habite já nesta terra o “Filho da Perdição” de quem o Apóstolo fala (2 Tess 2,3)».



A intervenção da Justiça Divina (Castigo) e a proximidade da Vinda do Senhor.

«Não abandoneis jamais os Sacramentos, a Confissão, a oração, o jejum e o Corpo de Jesus Cristo na Santa Missa, porque a Minha vinda está para muito breve» (Jesus Cristo, 15 de Maio de 1995).
«Satanás sabe que o seu tempo está para terminar, porque o meu Filho Jesus vai intervir. [...] Mas o manto está para fechar-se, pois o Meu Filho Jesus está para lançar a Sua Justiça Divina» (Nossa Senhora, 30 de Julho de 1995).

Nas aparições de Jesus e Nossa Senhora a Anne (EUA, 2000’) este tema é recorrente:

Quanto aos tempos presentes, como “fim do tempo”, veja-se por exemplo:
-     O Papa São Pio X na sua primeira Encíclica E Supremis, 1903:
-     As palavras de Nosso Senhor a Santa Faustina Kowalska (1905-1938) que ela mesma escreve no seu Diario:
-     Revelações de Nossa Senhora em Tre Fontane, Roma, 1947:
-     As palavras da Irmã Lúcia de Fátima em 1957:
-     As palavras de Nossa Senhora em 1992 ao P. Stefano Gobbi:
-     As palavras de Nosso Senhor à Anne em 2004:










[1] Flavio Ubodi, La Madonna di Civitavecchia. Lacrime e messaggi, Edizioni Ares, Milano 2013, 208 pp.
Flavio Ubodi, padre provincial dos Capuchinhos em Lazio, teólogo dogmático, foi o vice presidente de Comissão diocesana que estudou o caso das aparições de Nossa Senhora em Civitavecchia. O P. Ubodi foi também o intermediário querido pelo bispo Grillo junto da família Gregori, a proprietária da estatua de Nossa Senhora que chorou as lágrimas de sangue.
Cf. R. Caniato, La Madonna si fa la Strada. Civitavecchia nel tempo di Maria, Edizione Ares, Milano 2013, 456 pp.